Sobre

Sonhamos com uma forma de reintegração do habitante através da dinamização do espaço público. 

O Imagin’OPorto promove a dinamização do espaço público através de intervenções que passam pela participação da população local. Actua de forma a reintegrar estes residentes e utilizadores diários de cada área da cidade nas decisões e acções tomadas num espaço que é comum a todos. Não nos podendo esconder mais na culpabilização dos órgãos de gestão por falta de mudança, é o envolvimento das pessoas no espaço que é seu, porque público, que lhes confere direito e obrigação ao seu cuidado.


A Nossa Missão

“Estimular o espírito de cidadania promovendo o contributo e participação de todos os habitantes na utilização, manutenção e preservação dos espaços públicos”

A raiz do problema assenta na incapacidade do modelo de actuação dos projectos de reabilitação em espaço público e na falta de diálogo entre todas as partes envolvidas. Estas falhas levam à perda de noção de pertença e consequente desresponsabilização do habitante comum sobre os espaços públicos, o que conduz a uma desumanização destes e aumenta a problemática actual do abandono. Qualquer resposta a este problema tem então que ter por base o principio desta intervenção: promover a relação entre todos os constituintes da cidade e a participação na discussão e realização do seu planeamento. Garantir a participação (e o interesse nisso) por parte da comunidade (residentes locais, projectos envolvidos, apoios necessários).

 

Manifesto

“Um Porto de todos e para todos “

O Imagin’OPorto nasce do desejo inadiável de trabalhar no contexto da realidade urbana da cidade do Porto, que muitas vezes não traduz a identidade de quem a habita e não lhe transmite a qualidade de vida que procura. Acreditamos que, sendo o Porto uma cidade bastante consolidada ao nível da malha urbana, apresenta todas as características para responder ao necessário do quotidiano humano. O problema está nas descaracterização das estruturas que a constituem.

A cidade do Porto tem espaços com carisma, lugares com identidade, habitantes activos, falta apenas a junção destes três elementos e a sua transformação numa mais-valia. Trabalhamos no sentido de envolver as pessoas na melhoria da sua qualidade de vida, projectar e construir o desenvolvimento urbano através da implementação de processos participativos éo modo de olhar e agir perante a cidade que tentamos implementar.

Com intervenções “in situ”, encorajamos o debate como modo de pensar a cidade e de actuar, a experimentação e o questionamento do espaço que nos rodeia. Acreditamos que a única forma de conseguir uma verdadeira intervenção éactuar tanto nas partes mais permeáveis como impermeáveis da estrutura social, no património material e imaterial da cidade. Pretendemos difundir e trabalhar com as culturas transversais do Porto desde a mais popular à cultura emergente das artes e ilustração. É um projecto de curadoria, de intervenção em espaço público, que ambiciona, através do apelo visual, promover a sensibilização cívica dos cidadãos, alertando para o zelo pela cidade onde todos habitamos.

O propósito e o valor destas intervenções experimentais não são apenas o resultado final, como também os novos comportamentos sociais que daí advêm. Assim, essas acções e pesquisas não se limitam às disciplinas de arquitectura e urbanismo, tocam também em questões artísticas, sociais e políticas. É a solução em que todos ganham: os espaços ganham uma nova cara; os profissionais, experiência; as empresas ganham visibilidade e, mais importante, a comunidade aprende a trabalhar em conjunto.

O nosso projecto serve como ponte para estes 4 elementos: projectos existentes sem visibilidade; a falta de meios e verbas dos órgãos de gestão; a comunidade, que não se identifica com estes dois; os excedentes de fábricas e lojas que vamos aproveitar.

Há 20 praças desenhadas na planta do Porto e um dia alguém disse só uma ser utilizada como tal. Nós imaginamos os jardins tornarem-se jardins; as praças, praças; e todas as comunidades vão ser só uma.